Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 29 de maio de 2012

"Um amigo me chamou pra cuidar da dor dele, guardei a minha no bolso. E fui."

O amor capaz de nos fazer anular a nossa dor. 
A imensidão do sentimento que faz neutralizar o nosso sofrimento para poder cuidar do sofrimento do outro, ajudar um amigo em desespero, tranquilizar o coração angustiado de quem se ama.
E quando não há mais saída, esse é o amor que nos faz unir a nossa dor à dor do amigo, e sofrer junto, estar lado a lado, pois não há nenhum sofrimento que não possa ser repartido com um amigo amado.
É difícil alcançar a neutralidade exigida para se colocar em segundo lugar e cuidar da dor de outra pessoa, mas os amigos, mais do que qualquer outro ser, fazem isso como se fosse fácil. Sem esperar algo em troca.
E sabem a dimensão do conselho, da palavra dita, do silêncio compartilhado, de cada lágrima...
Não é fácil ser AMIGO. É divino.


segunda-feira, 14 de maio de 2012

Amor de gente grande é assim

Amor de corpo inteiro. Um amor que transcende, transpira, transborda. 
Amor com mãos e pés. Com dedos, braços, pernas, barriga, pele e abraços. 
Um amor que surpreende, sem nada inventar, sem precisar exagerar, sem ter de sempre entender. Simplesmente ser... preencher, existir! Amor que não investiga, que não desconfia, que não acusa. 
Amor de palavras, mas também de silêncio. Um silêncio que aquieta o coração, que acaricia a alma e alivia as dores! Amor que esvazia, que abre espaço, que permite. 
Amor sem regras, sem pressões, sem chantagens. Amor que faz crescer. 
Amor de gente grande, de coração gigante, de alma transparente. 
Amor que permanece. De mim para mim, de mim para você, de você para mim.
Amor que invade respeitando, que adentra acariciando, que ocupa com leveza. 
Amor sem ego. Que acolhe, perdoa, reconhece. Amor que desconhece para conhecer, que nunca lembra porque não esquece! Amor que é... assim, sem mais nem menos, sem eira nem beira, sem quê nem porquê. 
Simplesmente simples, despretensioso, descontraído, desmedido.
 De uma simplicidade tão óbvia que arrasta, que envolve, que derrete. De uma fluidez tão liquida que escorre, que desliza, que não cristaliza. Amor que não se pede, que não se dá, porque já é!
Para nunca precisar procurar, para nunca correr o risco de encontrar, porque já está! E o que quer que ainda possa surgir... besteira! Fique, permita-se, comprometa-se! Simplesmente amor... Você consegue?

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Essa nossa vida passa, mas o amor que vivemos não.


'O motivo das pessoas desistirem tão rapidamente umas das outras é porque elas olham pra frente e se perguntam: será que vale a pena? Elas se esquecem de olhar pra trás e verificar o tamanho do que construíram juntas.'


Para tudo há seu tempo.Na solidão, queremos o aconchego de alguém.Na saudade, ansiamos o reencontro.No desânimo, a necessidade de um abraço.Na ansiedade, procuramos o AR.Na indiferença, o amor próprio e a autoestima.

Para o amor (o de verdade), um segundo.. ou um ano. Ou o tempo suficiente para decidir sobre questões, escolhas, renovação, transcendência, direções.. 

O tempo da aquietação do coração.O tempo da persistência.


Essa nossa vida passa, mas o amor que vivemos não.